Uma empresa vibrante de ciência e tecnologia

Pedro Moura, Diretor-Geral

Na voz do Diretor-Geral Pedro Moura, a Merck Portugal assume-se como uma empresa vibrante de ciência e tecnologia que se distingue pela sua crença na ciência como força do bem e pela curiosidade como alavanca do progresso e desenvolvimento humano, sempre com um único propósito: fazer uma diferença positiva na vida de milhões de pessoas.

 

A curiosidade e a colaboração são características que se prolongam nos 353 anos de história da Merck e pilares para o crescente sucesso e reconhecimento. Pedro Moura, Diretor-Geral desde 2017, considera um privilégio representar uma organização “absolutamente única” e que se assume como uma empresa “vibrante de ciência e tecnologia”, depositária de muitas especificidades e diferenças face a outras companhias. É a empresa farmacêutica e química mais antiga do mundo; cerca de 70% do capital pertence ainda à família fundadora, que se faz representar pela 13ª geração; e faz coexistir, na sua plenitude, as áreas de Healthcare, Life Science e Eletronics.

 

Desenvolvimento de produtos e serviços para o bem comum

Perseguindo sempre o propósito de fazer uma diferença positiva na vida de milhões de pessoas, a Merck descobre e desenvolve produtos e serviços através da aplicação de conhecimentos interdisciplinares nas áreas de Helthcare, Life Science e Electronics, pilares que resultam na criação de sinergias que a distinguem dos demais.

No que concerne à área de Life Science, a Merck fornece as ferramentas laboratoriais para concretizar o desenvolvimento nas áreas de research and development, numa imprescindível cooperação com as principais comunidades científicas, académicas e do meio da biotecnologia e da farmacêutica. Objetivos de um setor de negócio que completam a missão da área de Healthcare , a qual assenta em três grandes pilares:

  •  ajudar a criar vidas, sendo uma empresa líder no tratamento de infertilidade que já ajudou a nascer mais de 4 milhões de bebés a nível mundial;
  • ajudar a melhorar a qualidade de vida de doentes, com foco nas patologias relacionadas com hipertensão, insuficiência cardíaca, diabetes, “as grandes pandemias na saúde”, atuando também na área dos distúrbios da tiróide e da hormona de crescimento, bem como na esclerose múltipla, na qual detém uma longa experiência;
  • prolongar a vida de outros doentes, através de medicamentos na área da onoclogia e imuno-oncologia.

A ciência e a tecnologia também estão presentes, nomeadamente, na relação que a Merck estabelece com várias instituições relevantes no sector da saúde, potenciando a criação de soluções inovadoras e necessárias. Hoje, resultado também da pandemia da Covid-19, assistimos a uma exponenciação da transmissão e do armazenamento de dados e, para tal, são precisos semi-condutores para os armazenar e distribuir. Tratam-se de mecanismos mais eficientes do ponto de vista energético e eficazes na transmissão, “cada vez mais desenvolvidos”. Para além dos semi-condutores, a área de Eletronics desenvolve também pigmentos, tintas, chips e cristais líquidos, usados em áreas distintas, como a indústria automóvel, arquitetura e cosmética.

Pedro Moura não tem dúvidas de que o conhecimento das doenças só se aprofunda se existirem mentes curiosas, característica e “força motriz do progresso e desenvolvimento humano”, presente no ADN da Merck, e que esta partilha com os parceiros, crescentes, de entidades e comunidades de investigação científica em Portugal, “amplamente reconhecidas pelo mérito, competência e resiliência”, como o Instituto de Biologia Experimental e Tecnológica e o Instituto Gulbenkian de Ciência.

 

Desafios futuros: desenvolvimento de fármacos potenciados através do contributo de Biomarcadores

A Merck Portugal constrói, diariamente, um futuro assente na melhoria da vida das pessoas, desenvolvendo produtos e tecnologias que constituem um importante contributo para a resolução de problemas globais.

Neste sentido, e mais concretamente na área de Healthcare, o Diretor-Geral aponta para a criação de soluções de tratamento em áreas responsáveis pelo prolongamento da vida (imuno-oncologia e oncologia) e melhorar a qualidade de vida na área de imunologia ligada à esclerose múltipla.

No que diz respeito à oncologia, a Merck tem-se focado na construção de uma medicina personalizada (que maximiza os efeitos terapêuticos e minimiza os efeitos secundários, não expondo a tratamento doentes que dele não vão beneficiar ou em que os custos superam os benefícios) e, para tal, importa considerar os biomarcadores, que indicam o tipo e evolução da doença e são fundamentais no desidrato de uma medicina cada vez mais personalizada e virada para o doente, porque “mais do que ter o doente no centro do projeto, é importante ouvir, perceber as suas necessidades e estar ao seu lado, na oferta de soluções”.

Depois de uma larga experiência na gestão de equipas multidisciplinares e de um longo percurso de mais de três décadas na indústria farmacêutica, Pedro Moura orgulha-se de liderar uma equipa que está unida por um propósito comum, “As One for Patients”.

 

Dia Nacional do Cuidador Informal

Há em Portugal um número crescente de cuidadores informais cujas necessidades têm sido negligenciadas e, nesse sentido, a Merck assinalou o Dia Nacional do Cuidador Informal, 5 de novembro, em conjunto com o Movimento Cuidar dos Cuidadores informais e respetivos representantes das 30 associações de doentes constituintes, com uma campanha de sensibilização, que alerta para a magnitude do problema. O ”Movimento Cuidar dos Cuidadores Informais”, ouve, percebe, suporta e trabalha em conjunto com os cuidadores, para perceber as reais necessidades.

You may also like...