A paixão pelo vinho e pelo mundo dos negócios

Victor Matos, Fundador

Victor Matos, Fundador

Mais do que uma empresa, a Sociedade de Vinhos Victor Matos II é uma filosofia de vida, que acredita que o que é produzido em Portugal tem a qualidade e o potencial para ser vendido ou exportado, para qualquer parte do mundo. Com um percurso de muito trabalho, Victor Matos, atualmente, lidera uma das empresas mais importantes do ramo no nosso país, com um centro de operações na Vala do Carregado e uma grande adega no Alentejo. Em entrevista, damos a conhecer a vida e o percurso de um homem dinâmico, que após largos anos em contacto com o mundo dos vinhos é reconhecido como um verdadeiro expert. 

Com um espírito empreendedor, Victor Matos é um empresário carismático e dinâmico que tem pautado a sua vida profissional por uma grande visão estratégica, sentido de responsabilidade e paixão. Cedo entrou no mundo dos negócios, e seguindo as pisadas do seu avô e do seu pai, começou a vender vinho porta a porta com apenas 15 anos, dando início a uma vida de grande entrega ao sector vitivinícola. Tinha apenas a 4ª classe, mas a sua ida para a tropa permitiu-lhe obter um ‘curso comercial’ ao chefiar as compras da sua unidade, dando-lhe confiança para, em 1976, aventurar-se e estabelecer-se em nome individual e, em 1988, criar a firma Victor Matos, Lda. Nas instalações que, na altura, adquiriu à Caixa Geral de Depósitos, começou a primeira linha de enchimento de garrafa e garrafão, que rapidamente se tornaram demasiado exíguas para o volume de negócios que a empresa alcançou. 

Quando Victor Matos completou 50 anos surgiu a oportunidade de adquirir as antigas instalações da empresa Carvalho Ribeiro e Ferreira na Vala do Carregado, com uma área de 55 mil metros quadrados, onde em 1996 nasceu a Sociedade de Vinhos Victor Matos II. Foi necessário um grande investimento para restaurar e remodelar os edifícios, mas hoje é evidente a magnitude e a tecnologia de ponta presentes, que fazem com que a empresa seja capaz de dar resposta às exigências do mercado e às necessidades dos seus clientes. Com uma aposta contínua na modernização, a empresa alberga os melhores meios para o armazenamento do vinho: tonéis de madeira em mogno e carvalho, depósitos de betão, balões revestidos a epoxy e cubas em inox, que permitem armazenar milhões de litros de vinho. A rede de armazenamento é complementada por um conjunto de bombas e sistemas de frio, que permitem a estabilização dos vinhos. A empresa possui ainda quatro linhas automáticas de engarrafamento bag in box, uma linha automática de engarrafamento em garrafão, três linhas de tetra pack e duas linhas de engarrafamento de garrafas. Quem visita este centro de operações, depara-se com técnicas de produção e enchimento verdadeiramente inovadoras, com processos automatizados que garantem uma maior capacidade de produção. “Mantemos atualizadas as tecnologias de armazenamento e enchimento, segundo as necessidades específicas de cada área. Procuramos otimizar a logística de distribuição, para que possamos servir os nossos clientes da melhor forma possível.”

O grande rigor na escolha dos melhores vinhos permite a comercialização de vinhos de mesa e vinhos regionais de Lisboa e Alntejo reserva e não reserva, com os melhores padrões de qualidade, satisfazendo as necessidades de procura em Portugal e no estrangeiro. Mas afinal o que é um vinho de qualidade? Para Victor Matos um vinho de mesa de qualidade, se for tinto, tem de ter 13 ou 14 graus, bem elaborado, aromático, com dez pontos de cor. Por outro lado, os vinhos de reserva têm de ser vinhos com outra estrutura, com 14 ou 15 graus, com bons taninos, boa cor, frutados e macios. 

 

Quem visita este centro de operações, depara-se com 

técnicas de produção e enchimento verdadeiramente inovadoras

 

Uma das maiores adegas do Alentejo

Os 50 anos de experiência de Victor Matos no mercado dos vinhos foram determinantes para o nascimento, em 1997, da HODS – Herdade do Outeiro Diniz e Santiago. O detalhe e a atenção espalhados pelos 230 hectares, dos quais 150 hectares são vinha, são pormenores que contam para a produção de vinhos de qualidade superior que se distinguem dos demais e que ficam na memória de quem os prova. Victor Matos esclarece que quando adquiriu a propriedade no Alentejo, foram plantadas as vinhas e construída uma adega, tudo com investimento próprio. Hoje em dia, a adega é uma das maiores do Alentejo, com capacidade para armazenar 27 milhões de litros de vinho e preparada para receber 500 toneladas de uvas por dia. Cepa Alentejana, Uva do Monte, Foral D. Diniz, Saramago e Bolota Alentejana são algumas das marcas dos vinhos que a Herdade tem para apresentar e que certamente ficarão na memória. 

O empresário desvenda a aquisição de dois lotes  de terreno com 15 mil metros quadrados junto às adegas, com o desiderato de elaborar um projeto e apresentar candidatura a incentivos comunitários, para a construção de uma central de enchimento de grande dimensão vocacionada para os vinhos regionais, sendo que 80 por cento desse projeto será destinado à exportação. 

“Portugal tem bons vinhos. Lanço um apelo aos nossos governantes, para que permitam plantar mais vinhas, porque infelizmente temos que comprar vinhos fora, e sem necessidade nenhuma, uma vez que temos terrenos excecionais para plantar vinhas”, refere o administrador, evidenciando que, atualmente, só não está a plantar vinhas, porque a legislação não lhe concede esse direito, lamentando por isso os entraves burocráticos e os apoios que são apenas destinados aos jovens agricultores/investidores, deixando de fora os séniores experientes do nosso país. Na sua ótica, é necessário apoiar quem trabalha, quem produz, quem investe, porque são essas pessoas que desenvolvem o país. Orgulhoso pelo trajeto traçado, Victor Matos assume que, para além do vício do trabalho, acalenta uma grande paixão pelo mundo dos vinhos e dos negócios, por isso não consegue estar parado. “Tenho o objetivo de adquirir uma propriedade na zona de Pegões, porque é uma zona com um clima e terrenos excecionais para os vinhos. 

A minha ambição é produzir Vinhos do Alentejo, Vinhos de Lisboa e Vinhos de Terras do Sado, nunca descurando uma qualidade superior”, sublinha Victor Matos motivado. Em termos de futuro, a HODS pretende continuar a ser uma referência no sector vinícola, quer no mercado nacional, quer no mercado internacional, prosseguindo com a sua aposta na modernização e na excelência dos seus vinhos. A terminar, Victor Matos aproveitou para deixar uma mensagem de Feliz Natal e de um excelente Ano Novo, com muita saúde, respeito e segurança. 

You may also like...