Sever do Vouga: o berço de um espumante de qualidade

Adelino Teixeira, Fundador

Argau é o promissor espumante produzido em Couto de Esteves, um projeto singular no concelho de Sever do Vouga, que nasceu pelas mãos de Adelino Teixeira e do seu primo, que decidiram concretizar este sonho vinícola na terra que os viu nascer, dando uma nova vida ao legado familiar da Casa Agrícola Casa dos Barbas.

Formado na Escola Agrícola de Coimbra e com uma pós-graduação em Enologia na Universidade Católica, Adelino Teixeira começou o seu percurso profissional na Quinta do Noval, em 1994. Em 2005, mudou-se para a Quinta da Romaneira, onde pode dar vida à paixão pelas vinhas e pelo olival. Embora a viver no Douro, Adelino Teixeira nunca perdeu a ligação a Couto de Esteves, por isso em 2009, juntamente com o primo, decidiu reativar a Casa Barbas, como era conhecida a pequena casa agrícola da família e reassumir o singelo legado vitivinícola, limitado à produção de vinho morangueiro. 

Depois da experiência de plantar oito hectares de vinha para a produção de espumante na num projeto em Inglaterra, Adelino Teixeira desafiou o seu primo a lançarem-se na aventura de produzir vinho espumante de qualidade em Sever do Vouga, uma terra sem tradição vinícola, onde o mirtilo é o grande ex-libris, que está no meio de duas das melhores regiões vitivínicolas do país: o Dão e a Bairrada. A proximidade da Bairrada foi, de resto, determinante na hora de optar pela produção de espumante, uma vez que para Adelino Teixeira “todas as terras se podem adaptar para produzir vinho, se escolhermos as castas certas e as trabalhar convenientemente”. Esta viagem começou com a plantação de dois hectares de vinhas entre 2010 e 2011, das castas Pinot Noir, Chardonnay e Pinot Meunier. “Plantámos as castas dos tintos junto à barragem de Ribeiradio e o Chardonnay numa cota mais elevada”, salienta. 

A primeira vindima foi em 2013 e deu frutos, ou seja, um vinho espumante, o Argau 2014, que foi distinguido com uma Medalha de Prata no Concurso de Vinhos de Portugal 2016. Esta distinção constitui um motivo de orgulho e, sem dúvida, um incentivo para continuarem a trabalhar na prossecução de um produto de grande qualidade.

Produção: Método Clássico

Segundo Adelino Teixeira, o processo de produção do vinho espumante começa na colheita, fermentação alcoólica, preparação do vinho base antes da “espumantização”, fermentação alcóolica dentro da garrafa, envelhecimento na garrafa sobre borras pelo menos 48 meses, remuage e, finalmente, o dégorgement. “Após a remuage e o dégorgement, o vinho deve estar no mínimo seis meses em estágio”, esclarece Adelino Teixeira.

Vinhos espumantes de qualidade

Adelino Teixeira revela que a sociedade agrícola tem duas marcas registadas, nomeadamente Casa dos Barbas, numa alusão ao avô dos fundadores, e a Argau, uma marca inspirada num dos utensílios utilizados na produção de vinho. “É um nome simples, fácil e que fica no ouvido”. 

O Argau Bruto consiste numa proporção de 60% de Pinot Noir e 40% de Chardonnay. É um espumante com nunca menos de 48 meses em garrafa antes do dégorgement, o que que explica a sua complexidade, em que as sugestões florais e frutadas do Chardonnay são mais evidentes. O Argau Cuvée Bruto é produzido com 80% de uvas de Pinot Noir e 20% de Chardonnay, tem uma cor ligeiramente rosada e um aroma muito expressivo e limpo, com notas de fruta, queijo biscoito e algum floral. Na boca é muito bom, mostra boa complexidade, uma textura cremosa e elegante e uma excelente acidez cítrica. Quem diria que Sever do Vouga seria o berço de espumantes tão promissores e tão apreciados, mas os promotores deste projeto sempre acreditaram que este sonho se tornasse realidade. E para o futuro, prometem trabalhar para consolidar a qualidade alcançada e para continuar a surpreender!

You may also like...