Porque estamos a perder a nossa capacidade reprodutiva?

 

Dr. Kadir Güleresi, Diretor de Laboratório

 

  • A taxa de natalidade continua a diminuir drasticamente na maioria dos países europeus e esta tendência pode dever-se não só a aspetos socioeconómicos, mas também a outros fatores biológicos relacionados com a perda da capacidade reprodutiva da população.
  • A Next Fertility, clínica especializada em reprodução assistida e que faz parte do grupo internacional Next Clinics, defende que a exposição a diferentes poluentes pode explicar o aumento de muitos problemas de fertilidade que estão a ser amplamente detetados na população, incluindo a perda de qualidade seminal nos homens.

Quando falamos de “fertilidade” referimo-nos à capacidade de tanto a mulher como o homem de ter descendência. Tradicionalmente, tem havido uma tendência para apontar o dedo à mulher como a “culpada” quando existem problemas reprodutivos num casal. No entanto, a realidade é que, de acordo com vários estudos, em quase um terço dos casos, a alteração e os problemas de fertilidade devem-se apenas ao fator masculino, enquanto, na mesma percentagem, as causas estão na mulher. Existe ainda outro 20% de casos relacionados com condições em ambos os parceiros e outro 20% de causas desconhecidas.

Neste contexto, ganham especial relevância os últimos estudos que indicam que a qualidade espermática diminuiu para metade no último século, o que apoiaria a teoria de que a fertilidade poderia estar em risco a nível global e ser um dos fatores mais influentes na queda da taxa de natalidade. De facto, um estudo publicado na revista científica Human Reproduction Update, realizado por investigadores de diferentes universidades de todo o mundo, conclui que a qualidade do esperma diminuiu drasticamente nos últimos 50 anos, de forma generalizada e a um ritmo cada vez mais rápido. De facto, se esta tendência decrescente se mantiver, dentro de apenas dez anos os homens poderão ter sérios problemas para se tornarem pais.

 

 

 

 

As causas biológicas da perda de capacidade reprodutiva

Na Next Fertility, clínica de procriação medicamentere assistida, que também possui um dos mais importantes biobancos de Espanha, Gametia, verificamos que atualmente, a hipótese mais plausível para explicar o declínio da taxa de natalidade e da qualidade do esperma humano é a combinação de fatores ambientais, sociais e de estilo de vida.

Entendemos que entre os fatores ambientais, teríamos a exposição a diferentes poluentes denominados desreguladores ou disruptores endócrinos: um grande número de substâncias químicas, sintetizadas e libertadas no ambiente bem como algumas naturais, que têm efeito no sistema endócrino do homem e dos animais (pesticidas, compostos e metais sintéticos, etc.). No entanto, o seu efeito negativo não ocorre apenas quando os adultos são expostos, mas é o contacto durante o desenvolvimento fetal que afetaria mais gravemente a saúde reprodutiva do futuro bebé, uma vez que é nessa altura que os órgãos reprodutivos estão a ser formados. Além disso, esta exposição durante o desenvolvimento fetal levaria a alterações tanto ováricas como testiculares, e explicaria muitos dos sintomas que se observam atualmente em relação à reprodução. No caso das mulheres, uma menarca (primeira menstruação) mais precoce ou uma maior incidência de doenças como a endometriose; e, nos homens, uma diminuição da qualidade seminal, acompanhada de uma maior incidência de cancro testicular ou de problemas de descendência testicular (criptorquidia). Por conseguinte, a exposição a estas substâncias durante o desenvolvimento do embrião no ventre materno tornou-se um fator determinante que pode estar a prejudicar a capacidade reprodutiva, tanto de homens como de mulheres.

 

 

 

 

 

A reprodução assistida: chave para aumentar a taxa de natalidade

Se bem que o declínio da natalidade se deva, em grande parte, a causas que não podem ser resolvidas pela ciência (como as questões económicas ou sociológicas), é certo que, neste contexto, a reprodução assistida é a chave para abrandar o declínio da natalidade, pelo menos num determinado sector da população: aqueles que não têm outra alternativa para ter filhos.

Neste sentido, o trabalho das clínicas de reprodução e, naturalmente, dos bancos de gâmetas (células reprodutivas), como a Gametia, é essencial. Dado que a qualidade seminal está a diminuir de forma generalizada na população masculina, dispor de uma grande reserva de dadores garante uma maior probabilidade de encontrar amostras de ótima qualidade para a Fertilização in Vitro e a Inseminação Artificial, tanto agora como no futuro. Estas reservas de esperma de qualidade, que podem ser mantidas durante um período de tempo ilimitado se forem conservadas em azoto líquido, são absolutamente necessárias para todos os casais que têm problemas em conseguir uma gravidez natural ou casais que têm doenças genéticas.

Em muitos destes casos, é necessário recorrer a esperma de um dador de alta qualidade e que corresponda às condições fenotípicas da recetora. Como tal, um grande número de dadores irá garantir que o maior número possível destes casos resulte em fertilizações e gravidezes bem-sucedidas.

De qualquer modo, para além do papel desempenhado pelas clínicas de fertilidade, acreditamos que, enquanto especialistas, a exposição a poluentes, associada a outros fatores sociais, como o adiamento voluntário da maternidade, o estilo de vida, como o aumento do sedentarismo, a obesidade, o tabagismo e o consumo de outras drogas, formariam a “tempestade perfeita” para conduzir a este declínio acentuado da taxa de natalidade.

You may also like...